5 terapias para tornar a gestação mais tranquila

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print

A gravidez é constantemente romantizada e idealizada pelas mulheres. No entanto, na vida real há uma série de mudanças e desconfortos que acompanham este momento tão especial. Mas será que existem formas de tonar a gestação um pouco mais fácil e confortável?

As terapias indicadas para gestantes devem ser sempre liberadas e aprovadas pelo obstetra. “As massagens não podem ser feitas na região abdominal, uma vez que podem provocar o aumento da circulação sanguínea, estimular pontos reflexos, aumentar a pressão intra-abdominal ou provocar a contração uterina”, explica a fisioterapeuta Fernanda Gianella.

Veja dicas de terapias que podem ajudar neste período:
  • Drenagem linfática: as drenagens são recomendadas a partir do terceiro mês de gestação, exceto para gestantes que tenham hipertensão não controlada, insuficiência renal, trombose venosa e profunda ou doenças relacionadas ao sistema linfático.
  • Massagem relaxante: as massagens ajudam muito a aliviar as dores e tensões musculares por meio dos movimentos suaves na coluna, pernas, braços e pés.
  • Shiatsu: essa massagem ajuda a equilibrar o corpo físico, energético e emocional. É feita por meio da uma pressão em pontos terapêuticos e ajuda a reduzir o estresse, as dores na coluna e a ansiedade.
  • Reflexologia podal: a massagem nos pés ajuda a reduzir ansiedade, estresse, prisão de ventre, dores nas costas, insônia, enjoos, dores musculares e problemas urinários, entres outros.
  • Massagem pélvica: é uma massagem muito interessante para as gestantes que desejam o parto normal, pois promove um relaxamento dos músculos da região do períneo e ajuda na preparação para o parto. Deve ser realizada apenas por profissionais capacitados e com autorização do obstetra.

A especialista lembra que praticar esportes também é uma excelente forma de tornar a gestação mais tranquila. No entanto, é importante conversar com o médico para verificar o que pode ser feito e evitar as modalidades que exigem contato físico ou de alto impacto.

 

 

 

Artigos relacionados