Mães de primeira viagem enfrentam as incertezas dos tempos de pandemia

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Imagem: Pixabay
Imagem: Pixabay

Se a gestação já é um período que enche a mulher de dúvidas e incertezas, imagine como está sendo gestar um filho em meio à pandemia de novo coronavírus? De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), cerca de 116 milhões de bebês nascerão este ano em todo o mundo em meio às angústias e incertezas das medidas de isolamento social. Mas o que fazer com o turbilhão de sentimentos e medos que este novo e inédito cenário ocasiona nas mulheres grávidas e nas novas mães?

A boa notícia é que, até o momento, não há evidências de que o vírus seja transmitido da mãe para o bebê durante a gravidez. O vírus da COVID-19 ainda não foi encontrado no fluído vaginal, no sangue do cordão umbilical, no leite materno ou fluído amniótico ou na placenta. Mesmo assim, é importante que sejam tomadas todas as medidas de prevenção e, caso a mãe sinta os sintomas, deve procurar orientação imediatamente e seguir as instruções do médico.

A psicóloga Laudiane Cruz, da Clínica Origen, explica que a gravidez é, geralmente, uma fase de muitas expectativas e muito idealizada pelas mulheres. “Existe uma programação romantizada com a barriga, com o bebê, com o obstetra, com o parto e com as visitas. Com a pandemia, é como se tudo virasse de cabeça para baixo e todos os planos construídos tomassem novos rumos.  Para algumas mulheres pode ser um período de muita angústia”, comenta.

Para a especialista, a mãe deve buscar alternativas que a tranquilizem nesse momento e se informar bastante para ter uma sensação maior de controle. Ela deve buscar informações sobre as restrições aplicadas aos acompanhantes no hospital, deve ter em mente para quem vai ligar quando as contrações começarem e buscar formas de se sentir perto das pessoas que ama, mesmo que esteja distante fisicamente.

O ideal é que a futura mãe conte com uma rede de apoio que ajude a passar por este momento sem embarcar em um sentimento de solidão e tristeza. Neste momento é fundamental que ela conte com o suporte médico, cuide de sua saúde mental e busque ajuda se não estiver conseguindo lidar sozinha com a situação.

Artigos relacionados

Assine nossa newsletter


Siga-nos

Publicidade

Mais lidos