Saiba mais sobre Fertilização In Vitro no tratamento da Síndrome do Ovário Policístico

Técnica é particularmente indicada para mulheres com SOP acima de 36 anos
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Fertilização in vitro
Imagem: Canva

Comum às mulheres em idade reprodutiva e a causa mais frequente de infertilidade por ausência de ovulação, a Síndrome do Ovário Policístico (SOP) é um distúrbio hormonal. É caracterizada pelo aumento na produção de androgênios que, embora seja o principal hormônio masculino, é produzido em pequenas quantidades pelos ovários.

De acordo com o médico ginecologista da Clínica Origen de Medicina Reprodutiva, Selmo Geber, a ausência de ovulação pode ser tratada com a estimulação ovariana, que é uma das etapas da Fertilização In Vitro (FIV). Por isso, a técnica de reprodução assistida se tornou uma importante aliada no tratamento da doença em mulheres que desejam ser mães. “A FIV é particularmente indicada para mulheres com SOP acima de 36 anos, quando a reserva ovariana já está mais baixa, quando existe alteração no sêmen, quando as tubas estão obstruídas ou quando não houve sucesso em tratamentos anteriores”, afirma o especialista.

Entenda o ciclo menstrual

O médico explica que os ovários são as glândulas do sistema reprodutor feminino e são responsáveis pelo armazenamento dos folículos, bolsas que contém os óvulos, e pela produção dos hormônios sexuais (progesterona, estrogênio) que atuam no desenvolvimento de características corporais e no processo reprodutivo.  Todos os meses, durante o ciclo menstrual, diversos folículos são estimulados pela ação do hormônio folículo-estimulante (FSH). Um deles se torna dominante e rompe, liberando o óvulo (ovulação), processo que conta com o hormônio luteinizante (LH) como gatilho.

Segundo o especialista, o estrogênio também age durante o período, tornando o endométrio – camada que reveste internamente o útero- mais espesso para abrigar o embrião. É nele que ocorre a nidação, ou implantação do embrião.

“Na última fase do ciclo menstrual o folículo, que antes abrigava o óvulo e se rompeu, se transforma em corpo lúteo, que tem como função a liberação de progesterona, hormônio que finaliza o preparo do endométrio”.

Desequilíbrio hormonal

Ainda segundo o médico, esse desequilíbrio hormonal característico da SOP resulta em irregularidades menstruais, como ciclos mais longos do que o normal, com maior ou menor quantidade de fluxo menstrual ou ausência de menstruação (amenorreia).

O hiperandrogenismo – excesso de androgênios – surge como consequência do processo fisiopatológico da doença e resulta no hirsutismo, que é o crescimento anormal de pelos em locais pouco comuns – como seios ou face e alopecia -, presença de acne e perda temporária de cabelo.

SOP

Geber alerta que a SOP pode levar à piora na qualidade de vida e pode estar associada à obesidade, problemas cardiovasculares e diabetes. “A obesidade pode resultar em resistência à insulina (RI), um dos fatores desencadeadores da doença, até o momento sem causas específicas definidas, podendo dificultar o desenvolvimento dos folículos e causando, da mesma forma, disfunção na ovulação e o hiperandrogenismo”, explica.

A hereditariedade também está entre os fatores de risco. Segundo o especialista, diferentes estudos observaram que há maior incidência de SOP em mulheres com casos relatados na família.

Existem dois tipos de tratamentos para a síndrome: o uso de anticoncepcionais, recomendado para pacientes que não têm o desejo de engravidar no curto prazo e a estimulação ovariana associada ou não à a FIV, que é indicada para o tratamento de casais que desejam ter filhos. “Em todas as técnicas de reprodução assistida acontece a estimulação ovariana, mas a taxa de sucesso é maior na FIV”, finaliza Geber.

Taxa de sucesso da FIV em casos de SOP

A FIV, ou fertilização in vitro, é a principal técnica de reprodução assistida, que prevê a fecundação de óvulos e espermatozoides em laboratório. Ou seja, in vitro seguido da transferência dos embriões, que resultam desse processo, para o útero materno.

De acordo com o médico, os percentuais de sucesso gestacional proporcionados pela técnica são bastante expressivos: em média 50% a cada ciclo de realização do tratamento em mulheres com até 35 anos. E a partir dessa idade as chances começam a diminuir.

Artigos relacionados