Desenvolvimento do bebê: de 0 a 6 meses

Conheça os principais marcos e como estimular o bebê nesse período
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Imagem: Freepik
Imagem: Freepik

De uma hora para a outra, aquele recém-nascido indefeso que saiu da maternidade começa a interagir, balbuciar palavras e se sentar sozinho. A cada dia é possível vivenciar uma novidade e tudo acontece bem diante dos seus olhos. Mas como saber se o seu bebê está se desenvolvendo adequadamente?

Os pais devem buscar conhecer as fases de desenvolvimento do bebê, sem tentar pular etapas, já que cada uma delas é importante para que a seguinte possa acontecer. Outro ponto importante é entender que, ainda que o bebê não realize alguns dos marcos de cada fase, isso não significa que ele tem algum problema. Cada criança se desenvolve em seu próprio ritmo. Por isso, é fundamental contar com o acompanhamento de um pediatra que poderá avaliar se tudo está dentro do esperado.

“É nos primeiros mil dias de vida do bebê que ocorre a maior aceleração no desenvolvimento do cérebro. Esse momento será determinante para toda a vida da criança, pois nunca mais haverá tamanha oportunidade para o seu neurodesenvolvimento. Um cérebro bem estimulado na infância resulta em adultos mais inteligentes, mais saudáveis e com maior habilidade e equilíbrio psicoemocional”, explica a pediatra Dra. Lílian Cristina Moreira.

Marcos do desenvolvimento do bebê de 0 a 3 meses
  • Segue objetos com o olhar;
  • Vira-se em direção aos sons;
  • Começa a sorrir para as pessoas;
  • Procura olhar nos olhos dos pais;
  • Começa a fazer barulhinhos e gorgolejar;
  • Presta atenção a rostos;
  • Reconhece as pessoas de longe;
  • Consegue manter a cabeça elevada;
  • Começa a levantar o tronco quando está de bruços;
  • Começa a aprender a se acalmar sozinho, muitas vezes chupando os dedinhos ou levando a mão à boca.
Como estimular o bebê de 0 a 3 meses
  • Abrace, converse e brinque na hora da amamentação, da troca de roupa e do banho;
  • Leia e cante;
  • Narre o cenário e as ações durante as atividades;
  • Fale das partes do corpo durante o banho e a troca de fraldas;
  • Aja com entusiasmo e sorria quando ele emitir sons;
  • Copie os sons que ele faz de vez em quando;
  • Movimente objetos grandes, coloridos e que emitam sons perto do bebê

A médica explica que o contato pele a pele é fundamental nesta fase. Ela recomenda que os pais tentem entrar em uma rotina, como dormir mais à noite do que durante o dia, além de ter atividades regulares. Também devem aprender a identificar os diferentes choros do bebê para entender o que ele quer e o que ele não gosta para que se sinta confortável e confiante.

Na hora de escolher onde deixar o bebê, devem priorizar sempre a segurança e manter um adulto responsável no mesmo ambiente. Por mais práticas que sejam as cadeirinhas de descanso, elas ainda não são recomendadas e o bebê conforto deve ser usado prioritariamente para o transporte, a 45 graus.

Uma opção interessante é deixar o bebê no chão em tapetes de atividades emborrachados, que são fáceis de higienizar e seguros para quando o bebê começa a rolar e se arrastar. Lá os bebês podem ficar livres e permanecer por alguns minutos de barriguinha pra baixo, na posição conhecida como Tummy Time (a hora da barriga), que ajuda a trabalhar os músculos da coluna.

 Marcos do desenvolvimento do bebê de 4 a 6 meses
  • Brinca e interage com pessoas, especialmente com os pais;
  • Reage às expressões faciais dos pais e, normalmente, parece feliz;
  • Gosta de se ver no espelho;
  • Emite sons e responde aos sons que escuta;
  • Começa a unir as vogais ao balbuciar (“ah”, “eh”, “oh”) e gosta de “conversar” com os pais;
  • Emite algumas consoantes como “M” e “B”;
  • Responde ao próprio nome;
  • Emite sons para mostrar alegria ou descontentamento;
  • Observa seu entorno, mostrando curiosidade sobre as coisas e procurando alcançar objetos que estão fora do alcance;
  • Leva objetos à boca;
  • Começa a passar as coisas de uma mão para a outra;
  • Rola em ambas as direções (de bruços para costas e vice-versa);
  • Começa a sentar-se com e sem apoio;
  • Quando colocado de pé, apoia o peso sobre as pernas e pode tentar saltar;
  • Balança para frente e para trás, às vezes engatinhando para trás.
 Como estimular o bebê de 4 a 6 meses
  • Brinque com seu bebê no chão diariamente;
  • Converse com o bebê e imite sorrisos e sons;
  • Leia livros com imagens coloridas;
  • Parabenize-o quando balbuciar;
  • Quando ele olhar objetos, diga os nomes e descreva-os;
  • Faça barulhos fora do alcance visual para que ele vire a cabeça para procurar o som;
  • Quando ele deixar um objeto cair, pegue do chão e devolva para ensinar causa e efeito;
  • Ofereça brinquedos de diferentes cores, formatos, tamanhos e texturas;
  • Comece a oferecer brinquedos de encaixe, que possam ser levados à boca e que produzam sons.
  • Dê preferência aos brinquedos feitos de materiais naturais como madeira, tecido, cortiça etc.

Nessa fase o tapetinho continua a ser uma opção interessante, pois o bebê precisa ficar em local espaçoso e seguro para explorar livremente brinquedos e objetos.

“Bebês que não são estimulados adequadamente podem perder habilidades já desenvolvidas e apresentar atrasos nas habilidades social, de linguagem, de comunicação, psicomotoras e cognitivas no geral. Também terão dificuldade em desenvolver pensamento lógico, o que afeta a capacidade de resolver problemas, refletir e aprender coisas novas”, finaliza a pediatra Lílian Cristina Moreira.

Artigos relacionados