Cuidar da saúde bucal na gravidez diminui riscos de parto prematuro

Gestantes podem ser mais suscetíveis às cáries, erosões dentárias e doença periodontal
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
saúde bucal
Imagem: canva

A gestação mexe com todo corpo da mulher e os hormônios provocam muitas alterações e podem facilitar, inclusive, a ocorrência de problemas dentários. Por isso, o acompanhamento da gestante pelo seu cirurgião-dentista é fundamental, não apenas para prevenir ou resolver infecções, mas também, para orientar sobre a sua saúde bucal e a do bebê.

Segundo a cirurgiã-dentista e membro da Câmara Técnica de Odontopediatria do Conselho Regional de Odontologia e São Paulo,  Karla Mayra Rezende, na gravidez, as mulheres podem ser mais suscetíveis à diversas doenças bucais com maior incidência de cárie, erosão dentária e doença periodontal. “Muitas vezes as gestantes se tornam mais propensas à doenças bucais, também, pela dificuldade em manter a higiene adequada, devido às náuseas e também, ao desejo aumentado de consumir alimentos açucarados”, explica.

A importância do pré-natal Odontológico

O pré-natal odontológico foi um termo criado para designar a importância da gestante visitar o cirurgião-dentista, seja para o autocuidado ou para receber as orientações sobre a saúde bucal do bebê. Nesse período de gravidez, a futura mãe está mais receptiva para aprender e levar o melhor para seu bebê sobre saúde.

De acordo com a especialista, vários estudos mostraram relação entre a doença periodontal e resultados adversos da gravidez. Isso inclui nascimento de bebê prematuro e, consequentemente, de baixo peso. Também pré-eclâmpsia e, até mesmo, abortos espontâneos estariam relacionados.

Raio X e anestesia são permitidos?

No tratamento Odontológico das gestantes, uma das principais preocupações dos pacientes e profissionais é sobre a segurança da utilização da anestesia e da realização do Raio X. O principal receio, no caso da anestesia, está relacionado à transferência do anestésico, por meio da placenta, para o compartimento fetal. “A gestante pode receber a anestesia para proporcionar maior conforto ao tratamento, mas é preciso avisar ao cirurgião-dentista da sua condição, para que todos os cuidados sejam tomados durante a aplicação para evitar qualquer risco ao bebê”, reforça a especialista.

A recomendação é que seja feita uma boa anamnese e exames físicos detalhados para evitar o Raio X, principalmente nas primeiras oito semanas – período crítico do desenvolvimento embrionário.  E, caso seja necessário realizar o Raio- X, o cirurgião-dentista deve tomar as medidas necessárias para proteção da gestante, como o uso de avental de chumbo, protetor de tiréoide e uso de filmes ultrassensíveis, além de evitar repetições.

A pandemia e a saúde bucal da grávida

O tratamento de gestantes diagnosticadas com Covid-19 deve ser diferenciado, assim como o de qualquer outro paciente que tenha testado positivo para a doença. “Em primeiro lugar o atendimento odontológico é em caso de urgência ou emergência. Este deve ser realizado sem uso de aparelhos que gerem aerossóis como alta rotação e ultrassom. É indicado utilizar sempre o “sugador” e não utilizar a “cuspideira”. Sempre que possível, realizar o tratamento com a técnica de mínima intervenção. E agendar com espaçamento entre os pacientes, lançando mão do teleatendimento para verificar se precisa de atendimento presencial ou se a paciente pode de ser orientada, medicada e acompanhada”, explica Karla.

 

Artigos relacionados