Mitos e verdades sobre o pré e pós-parto

Especialista esclarece dúvidas comuns destes períodos tão importantes
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print

Gerar uma vida definitivamente não é uma tarefa simples. O corpo da mulher passa por uma série de transformações desde o primeiro momento e elas não param após o nascimento do bebê. Com isso, é comum que as mães de primeira viagem tenham uma série de dúvidas e questionamentos sobre o que está acontecendo e o que virá pela frente.

Para esclarecer algumas dessas questões, convidamos o o ginecologista e obstetra Dr. André de Paula Branco, coordenador do Centro de Especialidades em Saúde da Mulher do Hospital Santa Cruz, para responder um “Mitos e Verdades”.

Toda gestante precisa tomar vitaminas

Mito – O uso de vitaminas ajuda muito no pré-natal e algumas podem faltar no processo de gestação do bebê. No entanto, a reposição depende das necessidades de cada mulher.

Os enjoos só ocorrem no primeiro trimestre

Mito – Os vômitos e as náuseas podem acontecer durante toda a gestação, porém são mais comuns no primeiro trimestre por conta de algumas alterações hormonais, em especial do HCG. A tendência é diminuir após a 12ª ou 14ª semana, mas no final da gravidez muitas mulheres sentem náuseas e vômitos por outros motivos, como o refluxo por conta tamanho do útero que passa a comprimir o estômago.

Grávidas têm mais cáries.

Mito – Não há nenhum estudo que comprove o aparecimento de mais cáries durante a gravidez.

Grávidas têm mais chances de desenvolver hemorroidas?

Verdade – Durante a gestação, o útero cresce e comprime os vasos sanguíneos da região pélvica. Isso dificulta a circulação do sangue e favorece a dilatação dos vasos, podendo causar as varizes que dão origem às hemorroidas.

Grávidas podem ter prisão de ventre.

Verdade – O processo de digestão se torna mais lento durante a gravidez e há uma tendência de constipação intestinal. Dependendo do caso, o médico pode receitar alguns medicamentos que ajudam na digestão, tanto durante a gravidez como no pós-parto.

O formato da barriga implica ou traz riscos para a gravidez.

Mito – O formato ou altura da barriga são subjetivos. Não é possível supor um diagnóstico apenas olhando as características da barriga da paciente.

Grávida não pode pintar os cabelos.

Verdade – Há muitos produtos que possuem componentes de risco e elementos tóxicos para a gravidez e para a formação do bebê. É imprescindível que a gestante converse com o seu obstetra sobre fazer a tintura no cabelo, pois deve haver consenso entre o médico e a paciente.

É obrigatório usar cinta no pós-parto.

Mito – A cinta pode ser um instrumento de apoio para algumas mulheres por uma questão de adaptação. Algumas pacientes se sentem mais seguras com a cinta, por dar sustentação e diminuir a sensação de desconforto pós-cirúrgico, geralmente no caso das cesarianas.

É normal sangrar após o parto normal.

Verdade – O sangramento é natural nos primeiros dias do pós-parto, mas vai diminuindo ao longo do tempo. Isso ocorre porque há uma perda sanguínea em virtude da saída da placenta e do útero. A perda de sangue é controlada por fatores musculares e hormonais, impedindo que haja um sangramento exagerado.

A mulher pode engravidar novamente amamentando.

Verdade – É mais difícil a mulher engravidar enquanto amamenta devido aos níveis elevados do hormônio prolactina, que proporciona a lactação. No entanto, não é confiável acreditar que a gravidez não vai ocorrer, porque a amamentação pode durar meses e os níveis de hormônios são variáveis. Nesse caso, se a paciente não deseja engravidar novamente, é preciso utilizar métodos preventivos.

É normal sentir dor nas primeiras relações sexuais após o nascimento.

Verdade – O corpo da mulher está em recuperação nos primeiros 40 dias após o nascimento do bebê. Por isso, há desconforto nas primeiras relações sexuais, principalmente neste período inicial. Não é proibido, mas desaconselhado. Se dois ou três meses após o parto a dor ou desconforto permanecer, é necessário investigar.

Artigos relacionados

Assine nossa newsletter


Siga-nos

Publicidade

Mais lidos