Games: entenda a diferença entre diversão e vício

Especialista explica o motivo do vício e os principais sinais que devem ser observados pelos pais
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Imagem: divulgação
Imagem: divulgação
A Organização Mundial da Saúde (OMS) já classifica a dependência em jogos eletrônicos como doença. A situação é tão séria que alguns países – como o Reino Unido – já têm clínicas privadas para tratar o distúrbio e os governos da China, Japão e Coréia do Sul, criaram formas para controlar o uso excessivo dos games entre crianças e jovens.

 

De acordo com a Dra Priscila Dossi, médica psiquiatra, os jogos são pensados e projetados para viciar, mantendo os usuários ligados ou conectados às etapas desafiadoras, sempre com recompensas atraentes.

 

“Tenho recebido muitas crianças e adolescentes em consultório com dependência de jogos. Crianças preenchendo critério para vício em eletrônicos, é alarmante. Há também a questão dos jogos violentos sendo usados por crianças e mesmo por adolescentes que ainda não tem uma estrutura emocional bem sedimentada. Há os jogos ansiogênicos, que nem sempre são violentos, mas que causam ansiedade e desconforto”, diz a especialista.

 

Ela explica que o indivíduo passa a adquirir um alto grau de tolerância em frente às telas, passando cada vez mais tempo jogando. Além disso, o tempo diante dos games aumentou consideravelmente desde o começo da pandemia, principalmente entre crianças e jovens, que deixaram de ter aulas presenciais.

 

Por se tratar de dependência, a médica reforça que abstinência também está presente. Quadros de ansiedade, insônia, irritabilidade e até tremores pelo corpo podem surgir quando o indivíduo é impedido de jogar. “Precisamos levar em consideração também o conteúdo altamente violento de muitos jogos que são expostos às crianças e adolescentes sem nenhuma supervisão dos pais, supervisão essa, que muitas vezes é negligenciada para evitar atritos com os filhos”, ressalta.

 

Confira os principais sinais da criança ou adolescente viciada em games:
– Passa a priorizar os jogos em detrimento de todo o resto
– Perde o controle sobre o impulso de jogar
– Descuida da aparência e da higiene pessoal
– Tem insônia e sono desregulado
– Abandona os familiares e amigos

 

A dependência em games, conhecida também como Transtorno do Jogo, é considerada um vício comportamental. Ou seja, a pessoa negligencia seus afazeres diários, seus familiares e amigos para jogar, o que compromete as relações pessoais, a vida escolar/acadêmica e profissional, além de afetar a alimentação e o descanso.

 

Durante o jogo, o jogador é bombardeado com altos níveis de dopamina, que é o neurotransmissor responsável pela sensação de prazer. Por isso, quanto mais tempo o indivíduo passa jogando, mais dopamina é liberada no cérebro, causando mais dependência em experimentar aqueles estímulos para aumentar a sensação de prazer.

 

“A psicoterapia cognitivo-comportamental é a opção de tratamento mais utilizada em vício em jogos online. Com o tratamento, o paciente é levado a entender os aspectos da sua dependência e, a partir daí, são criadas condições para desenvolver maneiras de se relacionar socialmente, fora do ambiente dos jogos on-line”, finaliza.

Artigos relacionados