É possível beber e amamentar?

Confira como desfrutar das festas de final de ano com segurança
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Imagem: Freepik
Imagem: Freepik

A chegada das festas de final de ano pode ser uma verdadeira tortura para as lactantes que gostam de bebidas álcoólicas. Mas será que é possível beber e amamentar?

A médica endocrinologista Dra. Lorena Lima Amato explica que o consumo de bebidas alcoólicas é considerado compatível com a amamentação, mas isso não significa que seja recomendado. “A mãe pode, sim, tomar um drink eventualmente, desde que com alguns cuidados. Idealmente, o bebê não deve estar em aleitamento materno exclusivo, ou seja, deve ter outras fontes alimentares além do leite materno, o que, em geral, acontece após os seis meses de vida”, explica a especialista.

O nível de álcool que chega até o leite está relacionado à quantidade ingerida. Por isso, quanto menor a quantidade, mais rápido será eliminado do organismo. “Também devemos estar atentos ao horário da próxima mamada: uma mulher de aproximadamente 60 kg leva de duas a três horas para metabolizar uma porção de álcool (um copo de cerveja ou uma taça de vinho, por exemplo). Por isso, a recomendação é de que a mãe aguarde, no mínimo, duas horas após a ingesta de álcool para oferecer o peito novamente ao bebê”, orienta Dra. Lorena.

Bebidas destiladas demoram ainda mais para serem eliminadas. Por outro lado, se o álcool é consumido junto com comida, a absorção é mais baixa, passando menos pelo leite. A especialista alerta, ainda, que o álcool diminui a produção de leite.

Portanto, para as mães que amamentam, mas não querem abrir mão de um drink nas festas de final de ano, a médica recomenda:

  • Prefira fermentados, ingira pouca quantidade e, de preferência, com alimentos.
  • Beba muita água e aguarde pelo menos 3 horas para amamentar o bebê novamente.

“Existem fitas que medem a quantidade de álcool no leite, contra indicando o aleitamento caso esses níveis estejam altos. A informação é a maior arma a favor das mulheres que querem amamentar, com isso o seu momento de celebração se torna mais seguro e prazeroso”, finaliza a endocrinologista.

Artigos relacionados