Mês Mundial da Conscientização sobre a Infertilidade: 8 mitos e verdades em relação à fertilidade, problema que afeta um em casa cinco casais

Especialista explica alguns hábitos e comportamentos que podem dificultar as chances de reprodução
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no print
Print
Imagem: Canva
Imagem: Canva

Você sabia que cerca de 190 milhões de pessoas sofrem em todo o mundo com problemas de infertilidade, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS)? Estima-se que entre os casais, muitos dos casos são gerados por desequilíbrios na saúde ou hábitos de vida de ambos, ou seja, homens e mulheres têm as mesmas chances de apresentarem infertilidade. O tema pode causar frustação já que aproximadamente um em cada cinco casais tem problemas para engravidar. Porém, os métodos de reprodução assistida geram ótimos resultados e quanto antes forem diagnosticadas as causas, maiores as chances de reverter o quadro. Pensando nisso, ainda mais em tempos de fake news, o ginecologista especialista em reprodução assistida da Huntington Medicina Reprodutiva, Maurício Chehin, preparou uma lista esclarecendo as principais dúvidas e desvendando mitos que circulam entre a população.

“É extremamente importante abordar este assunto, pois não deve ser um constrangimento e, sim, um momento de compreensão entre os envolvidos. Não tem relação com virilidade, potência ou desempenho sexual. Por isso, busque uma clínica segura com especialistas qualificados para realizar o sonho da maternidade ou paternidade”, explica o médico do Grupo Huntington.

1. VACINAR CONTRA A COVID-19 CAUSA INFERTILIDADE.
MITO. Uma pesquisa, publicada no American Journal of Epidemiology, não mostrou nenhuma evidência de que as taxas de fecundação e a probabilidade de concepção sofreram alteração devido à imunização contra a covid-19. Foram avaliadas as vacinas da Pfizer, Janssen e Moderna. “Aproveito para reforçar que as grávidas podem e devem se vacinar contra a covid-19”, completa o dr. Maurício Chehin.

2. A UTILIZAÇÃO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS NO COLO PODE PREJUDICAR A FERTILIDADE MASCULINA.
VERDADE. Uma pesquisa da Live Science apontou que os espermatozoides mantidos na mesma temperatura e deixados afastados de equipamentos eletrônicos possuem mais mobilidade e menos danos ao DNA em relação aos que ficaram quatro horas perto dos dispositivos. Portanto, o aumento de temperatura constante e prolongado próximo aos testículos pode, sim, atrapalhar, já que influencia na produção de espermatozoides.

3. O USO CONTÍNUO DE CONTRACEPTIVOS INTERFERE NAS FUTURAS CHANCES DE ENGRAVIDAR.
MITO. A perda de folículos e a diminuição do estoque de óvulos são contínuas e isso acontece independentemente do uso ou não de algum método, como anticoncepcionais hormonais, sejam eles em pílula, adesivo ou DIU. Eles bloqueiam momentaneamente a ovulação e ao parar com o uso do medicamento, a mulher já se encontra apta para a concepção novamente. Vale ressaltar que os contraceptivos não causam infertilidade, porém podem camuflar outros sinais existentes, como uma baixa reserva ovariana ou endometriose. Por isso, é importante consultar o médico regularmente.

4. ROUPAS EXTREMAMENTE APERTADAS E USADAS CONSTANTEMENTE PODEM PREJUDICAR A PRODUÇÃO DE ESPERMATOZOIDES.
VERDADE. Um estudo revelou que o uso de calças e roupas íntimas muito justas podem comprometer a produção de espermatozoides. De acordo com eles, as vestimentas mais largas deixam os testículos “resfriados” produzindo 25% mais de espermatozoides, além de terem liberado 17% mais espermatozoides em cada ejaculação perante os outros pesquisados.

5. CASAIS COM MENOS DE 35 ANOS DE IDADE NÃO TÊM PROBLEMAS PARA ENGRAVIDAR.
MITO. “As chances de engravidar naturalmente é de 20% aos 25 anos; 15% aos 35 anos; 5% aos 40 anos; e 2% aos 43 anos. Obviamente existe uma queda de acordo com a idade, mas não é uma regra. O recomendável é procurar um especialista, caso a gravidez não ocorra após doze meses para investigar o que está acontecendo”, avalia o especialista da Huntington Medicina Reprodutiva.

6. EMAGRECER MELHORA A FERTILIDADE EM HOMENS E MULHERES.
VERDADE. A obesidade está relacionada diretamente com a fertilidade. Estudos apontam que homens obesos ejaculam menos do que os que estão em peso ideal. E outra pesquisa americana apontou que a probabilidade de infertilidade aumenta em 10% para cada 9 kg que um homem está acima do peso. Porém, cabe dizer que a magreza extrema também pode ser causa de infertilidade. Por isso, uma vida saudável, incluindo atividades físicas e alimentação controlada é um caminho importante a seguir.

7. MULHERES QUE TÊM OVÁRIO POLICÍSTICO NÃO PODEM ENGRAVIDAR.
MITO. A SOP (Síndrome dos Ovários Policísticos) pode, realmente, levar à falta de ovulação crônica, ou seja, em alguns ciclos, mesmo havendo menstruação, nenhum óvulo é liberado, e com isso gera infertilidade. Porém, não significa que a gravidez seja impossível, pois nos meses em que a ovulação acontece é possível que a gravidez ocorra.

8. BEBIDAS ALCÓOLICAS CAUSAM INFERTILIDADE MASCULINA.
VERDADE. De acordo com estudos clínicos, o consumo excessivo dessas bebidas pode impactar negativamente nas taxas de sucesso para quem quer engravidar. Nas mulheres influencia na produção de hormônios e ciclo menstrual e nos homens podem prejudicar a qualidade e motilidade dos espermatozoides. O consumo com moderação é o segredo.

Artigos relacionados